Curso de Pilotagem - Você está preparado para um pouso de emergência?

Tempo estimado de leitura: 12 minutos 

Motores aeronáuticos são conhecidos por suas características únicas: durabilidade, confiabilidade, leveza e potência. Mas eles falham. Na realidade, toda máquina é suscetível a pane… e todo ser humano também.  De fato, são muito menos propensos a uma pane se comparado a carro ou ônibus, mas ainda sim nos preparar pra a possibilidade através da repetição do treinamento quando possível.

Durante o treinamento, depende do piloto se aprofundar na realização dos procedimentos, pois é muito comum a realização apenas dos básicos (re-acionamento no ar, e pouso forçado). Já falei em um outro artigo… O ótimo piloto é aquele que não entra em uma condição onde só o bom piloto consegue sair.

Mas eu já li o manual ‘trocentas’ vezes…‘ Ótimo.. Leia mais e escreva suas anotações em um caderno adequado, como se mantesse um diário de bordo pessoal. Aqui fica uma dica legal… Se você acompanha a manutenção da sua aeronave de perto, acompanhe também em que o seu mecânico mexe. Escreva no seu caderno pra que em uma situação real, possa ser mais assertivo no procedimento aplicado. Além disso, acompanhar relatórios de acidentes e incidentes de pilotos que operam o mesmo modelo da aeronave te ajuda a aprender com os erros e falhas de outros pilotos. ‘Conheça a si mesmo e ao equipamento que você voa, e você nunca vai correr perigo.‘ Sun Tzu nos ensinando a voar corretamente desde 2.500 anos atrás… rsrs…

Poster do Painel do Cessna 152

Eu não consigo decorar o manual…‘ Na internet é fácil de encontrar um poster do painel da aeronave, imprima-o e estude olhando para ele. Caso não possua, tire uma foto nítida do painel pois funcionará da mesma maneira. Leia o manual apontando o item citado. Isso te ajudará a entender o fluxo de escaneamento (scan-flow). Em meu último artigo, citei a curva de esquecimento de Ebbinghaus, e a leitura constante do manual da sua aeronave te ajuda a se tornar um piloto acima da média… Ou se preferir, um top-gun.

Agora Maverick, o supra sumo do estudo é a nacele. Se você estuda em um aeroclube que possui um grande número de aeronave, pilota uma aeronave executiva que te permita ficar dentro por algumas horas, ou mesmo é piloto de uma linha aérea que conhece um lugar aonde pode usar o simulador… Faça o procedimento algumas vezes apontando o item falado, e ai… o pulo do gato: vede seus olhos, e faça-o novamente de olho vedados. Além de criar uma memória muscular, te ajuda a ter mais agilidade.. O que sinceramente em uma pane na corrida de decolagem ou mesmo na subida inicial, será essencial.

Com o tempo, o gerenciar os riscos te permitirá aprimorar a capacidade de avaliar e mitigar os riscos. Mas o que eu tenho que me atentar?

1. Vento

As vezes seu amigo, as vezes seu aliado, as vezes ele está de mal de você. O vento pode te dar um componente de sobrevivência em uma situação de emergência, ou mesmo atrapalhar a sua operação. Mas saber de onde ele vem, é o que se espera de você. Cada piloto tem seu macete preferido.. Fumaça, biruta, vacas…

2. Selecionar uma área de aterrissagem adequada

Esse tópico é muito delicado. Pois estamos falando de selecionar o lugar que definirá a suavidade do pouso, a sobrevivência dos tripulantes e passageiros e até mesmo a preservação do que está no solo e da aeronave.

Entenda, quase sempre podemos selecionar bons lugares para pouso, mas há situações onde isso não é possível. Como por exemplo, a 400 pés após a decolagem de Congonhas, ou mesmo do Santos Dumont. De maneira geral, pousar em vegetação densa, como um milho ou campo de grãos, pode te fornecer absorção de energia de impacto. Mas deve-se ficar atento a inclinação e dimensão dos lugares. O importante mesmo é manter a zona de aproximação clara.

Ao realizar um pouso de emergência na água, recomenda-se em não baixar o trem de pouso, a não ser que o manual de operação do piloto indique o contrário. Em aviões de asa baixa, os flapes totalmente estendidos em contato com a água podem causar um dano na asa, então não aplique mais do que uma configuração de flape intermediária. Pousar em uma distância segura de barcos próximos é um bom negócio.
3. Falha no planejamento ou em seguir um padrão de voo para o campo de pouso selecionado considerando altitude, vento, terreno e obstruções

A boa notícia é que os pilotos que pousaram no topo das árvores, nos rios e nos campos, pousaram de forma segura e eficaz. Estes tipos de pouso são muito semelhantes, com em um aeródromo, com apenas ligeiras diferenças.

O contato com o solo deve ser feito sempre com a velocidade mínima controlável. Se pousar em árvores, escolha árvores mais curtas, com espaçamentos próximos, com topos densos. No toque, distribua a energia do impacto uniformemente ao longo de ambas as asas. Manter uma atitude de nariz alta permitirá que as asas e fuselagem proporcionem um efeito de amortecimento.
4. Gestão imprópria de tarefas ao pouso forçado

A primeira atividade é seguir para velocidade de planeio. Após isso, encontrar um local adequado para o pouso. Após isso, tentar o re-acionamento. Caso inevitável o pouso forçado, lembre-se das dicas acima. Mas por favor, não invente moda. Sair de uma linha de raciocínio  e que foi pensada por engenheiros, aprovada por pilotos de teste muito experientes porque você acha que pode fazer melhor de uma determinada maneira? Não..

O pior disso é se perder nos procedimento, faltar com a manutenção da velocidade adequada ou mesmo  com uma configuração de pouso adequada durante a descida.


5. Manobra de baixa altitude

Manobrar uma aeronave em emergência em baixa altitude de uma maneira segura só depende de duas coisas: agilidade e atenção. As aeronaves bimotoras tem uma velocidade de segurança e uma atitude ideal pra continuar a voar em segurança mesmo quando um motor falha. Agilidade é essencial para colocar sua aeronave na atitude. Atenção a fios elétricos, e outros obstáculos também. Em um monomotor, a situação é mais delicada, mas ainda sim.. Seu avião está planando.

6. Re-acionamento efetuado com sucesso

Você se lembra do artigo de como sair de um estol? Lá falamos sobre o estol de compensador. É importante ficar atento a isto. Um re-acionamento feito com sucesso é resultado de agilidade e habilidade oriundas de um bom treinamento.

7. Ter o direito de passagem em caso de emergência

Não banque o herói. Está em emergência, você deve sim ter prioridade. Informe o controle corretamente, e esteja a frente da aeronave. Pilote o manual e leia sua aeronave.

Revisando o hall de habilidades…

Você deve analisar a situação, selecionando um curso de ação apropriado e uma área de pouso adequada. Não se esqueça que mesmo em emergências, seu voo pode estar controlado. Então estabeleça mantenha a velocidade de planeio não variando mais que 10 nós. Planeje e siga exatamente o que o manual da aeronave lhe diz. Durante sua aproximação para a área de pouso selecionada, considere a altitude, vento, terreno e obstruções que permitiriam um pouso seguro.

Lembre-se também das dicas para a aterragem, ou arremetida. E não se preocupe: primeiro estabeleça um voo controlado e seguro, e apenas depois disso, faça chamadas de rádio apropriadas, quando as condições o permitirem.

Acima de tudo: mantenha a calma e os estudos em dia.

 

 

2 Responses

  1. Antonio Carlos

    Excelente postagem!
    Ler e reler sempre que possível sobre procedimentos diversos e, ainda, construir um acervo mental sobre situações suscetíveis de ocorrência nas nossas funções diárias, torna-nos seguros para agirmos com assertividade.

    Responder
  2. Lucas Almeida

    Muito Bom o Artigo! É de extrema importância conhecer o equipamento que você voa! Em situações anormais isso lhe ajudará a ser mais acertivo na escolha da ação correta a se tomar! É de suma importância que além disso, você acompanhe tudo que acontece com a sua aeronave!

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Free WordPress Themes, Free Android Games