Precisamos falar de idade na aviação - Aeroagora

Hello there! Sup?

Esta semana recebi duas mensagens bem legais, para falar sobre idade na aviação, sua interferência e seu impacto:

Olá Felipe Duque! Venho primeiramente te parabenizar pela excelência do seu blog Aeroagora que me incentivou ainda mais a ir atras do meu sonho, eu tenho 23 anos atualmente sou de classe baixa e por isso havia desistido de ir atrás na carreira de aviação porém após assistir alguns canais no Youtube reacendeu a chama de ser um piloto. Pois bem estou bem fixado no que eu quero e já me planejei mas gostaria de ver um artigo no seu blog falando mais sobre como a idade interfere no tempo de preparação para se tornar um piloto. Desde já obrigado por ter feito um trabalho que contribuiu para meu desenvolvimento e parabéns pelo blog.

Rivaldo Moura, 23 – Recife, PE

Nossa! já tenho 56 anos, apaixonado por aviação, o que poderia me impedir de fazer um curso de pilotagem ? 

Cláudio Requena, 56 – Tabapora, MT

Inicialmente, gostaria de lembrar-lhes que tenho 24 anos. Logo, não posso falar diretamente usando minha experiência na prática, mas sim do que eu já vi, e vejo. Sabe, dizem que um piloto velho é como um bom bordeaux: se armazenado nas condições corretas, mesmo depois de 50 anos, nada que algumas novidades como um saca-rolhas pneumático (no caso RNAV, RNP, ADS-B…) pra permitir aproveitar a essência destes caras que são dignos de respeito.

Sem circuitos de tráfego (rodeios), idade senhores, interfere sim na aviação. Mas não da maneira que vocês pensam. Pense você com 5 anos, pilotando solo um paulistinha? Ou com 95 fazendo a escala de ponte Rio – São Paulo, 7 ou 8 vezes por dia? Meio complicado né!? Pois é. Em tese, por esta razão grande parte das companhias aéreas aposenta os pilotos aos 60 anos de idade. Mas a idade não necessariamente atrapalha sua carreira na aviação, mas sim ela está ligada a fatores fisiológicos que são limitantes a tal.

Agora, vamos lembrar algumas coisas: de acordo com a Além de Não Ajudar Complica (ANAC), 46% da nossa frota são de aeronaves privadas, 25% de aeronaves experimentais, e 10% de outras categorias. Linha aérea (Boeing, Embraer, Airbus…) corresponde a 3% da aviação nacional.  O que isso tem haver com idade na aviação?

1 – Nem só de linha aérea vive o homem. 

No Aeroclube de Bragança (ACBP), tive um instrutor jurássico, com umas 15 mil horas de paulistinha: Sr. Angelis. Quem já voou com ele sabe do que estou falando. No Aeroclube de São Paulo (ACSP), temos o Sr. Conti com umas 8 mil horas de Cherokee. Eles devem ter no mínimo 50, ou 60 anos. O Sr. Conti está no administrativo do ACSP, e o Sr. Angelis.. O velinho dá um pau em qualquer quando o assunto é habilidade no paulistinha. Até hoje!

Eles dois tem algo em comum: dedicaram sua vida a instrução e formação de pilotos. E se tornaram lendas no assunto. Ambos nunca chegaram a pilotar na linha aérea. Mas isso não os impediu de amar o que faziam, ou mesmo serem os melhores naquilo que faziam.

Então entenda: se você quer ser piloto, aos 20, 30, 40, 50… Não interessa. Mas entenda que mesmo que a linha aérea não esteja disponível, seja por idade, por macro economia, sei lá… Uma das 21.255 aeronaves estantes no Brasil talvez esteja.

2 – Seja o melhor cinquentão do aeroclube

Sala de PP no aeroclube tem dois cheiro: talco e toddynho. Brincadeiras a parte, muitos pilotos iniciam sua carreira prematuramente, e algumas coisas como inteligência emocional, capacidade analítica das coisas e hormônios vão impactar diretamente o treinando. Controle de ansiedade, medo, sentimentos emocionais de maneira geral são fatores que 17 você nem percebe que tem. Aos 25 talvez entenda alguma coisa. Aos 35 sabe um pouco. Aos 50? Tu é mestre.

Então, decidi! Quero ser piloto aos 40 ou 50. Tudo bem.. Torne-se então uma máquina de aprendizado. Sugue mais aprendizado que um GE-90-115B. Uma coisa que aos 17 não percebemos, é que tentamos ser bons em muita coisa, como andar de skate, enquanto toca bateria, assovia e chupa cana… enquanto o segredo de grandes personalidades como Madre Tereza de Calcutá, Gandhi, ou Senna é que eram muito bons em apenas uma única coisa. Gandhi seria um péssimo piloto de Fórmula 1, bem como Senna seria não seria uma boa Madre.. Talvez fosse uma noviça rebelde.. (ba-dum-tiss..)

Seja o melhor, porém em uma única coisa. Assim, deixará sua marca (indispensável) no mundo.

3 – Não tenha uma vida limitada

Desde cedo, estamos acostumados a ouvir: você não pode fazer isso.. ou você não pode ter isso. Cara.. Eu pessoalmente detesto isso. O ser humano é capaz de mudar e melhorar sua vida a qualquer momento que queira. Somos capazes de coisas incríveis, quando amamos o que fazemos.

Tenho como um ídolo pessoal, Steve Jobs. Certa vez, pouco depois de ser diagnosticado com câncer no pâncreas incurável, disse:

O seu tempo é limitado. Então não gaste vivendo a vida de um outro alguém. Tenha coragem de seguir o seu próprio coração e sua atitude. Não fique preso pelos dogmas, que é viver os resultados da vida de outras pessoas. Não deixe que o barulho da opinião dos outros cale a sua própria voz interior.

O que a idade te trás é a capacidade de analisar as coisas antes de correr atrás com convicção de ser única verdade como em um movimento browniano, ou seja, aleatório. Com idade, você acaba identificando com maior precisão os fins que não justificam os meios.

Quer ser piloto, planeje-se. Falta dinheiro, pare de reclamar, crie um plano financeiro, arrume trabalhos secundários, guarde cada centavo. ‘Deu ruim’ no Curso de Maquiagem Avançada (CMA) kkkk.. Certificado Médico Aeronáutico… É reversível? Então corre atrás! Tomou pau na banca? OK! Então faz denovo! A escola chique está muito cara? Vá voar no Aeroclube Tupiaranga (Crescenti, aquele abraço.)

Crie um plano, estabeleça estratégias. Cada vez que tiver um problema, imediatamente reavalie o cenário, controle os danos, afaste-se, restabeleça as estratégias mitigando a raiz do problema. Repita o processo. De qualquer forma, o tempo vai voar. A boa notícia, você vai ser piloto. 😉

4 – Não faça pelo dinheiro ou prestígio

Me lembro até hoje quando eu falei para meu professor de matemática: eu quero ser engenheiro. Ele riu da minha cara. Não.. Tipo, literalmente… Eu fiquei com tanta raiva que me passei por 2 anos de engenharia e 6 meses de arquitetura pelo prestígio. Até perceber que eu não fazia porque eu gostava, mas sim pra provar para os outros que eu era capaz, e não um ‘mer#!’.

Então senhores, precisamos falar de fracasso. Eu sei que é um assunto chato, pois nos torna vulneráveis. Há uma diferença gigante entre o momento criado e o momento vivido. Hoje, com as redes sociais, sites de compartilhamento de vídeo, é muito fácil pegar uma imagem da GoPro, voar entre as nuvens, colocar uma música do Coldplay e ganhar 5 mil likes. Isso te faz ser quase um Daniel Craig em Cassino Royale. Você é o fo#%o!

Mas aviação senhores, não é blog de aviação, não é página no facebook, não é vídeo motivacional. Aviação é uma escolha de vida estratégica e planejada, e se quer ter sucesso, e um dia ser prestigiado pelo piloto que é ou será, então é necessário que planeje cada milha que for voar em rumo do seu sonho, ou melhor, objetivo. O que torna o fracasso em uma vitória, é a capacidade de contingência imediata para controlar os dados, que vem inevitável pelo caminho. É a hora de voo que aumenta, é a macro economia que está ruim, e etc.

Aviação como profissão não combina como emoção. Esquece esse lance de video, esquece aviação de luva branca e talheres de prata. Um grande mal dos pilotos: chega na linha aérea vermelha, compra um carro vermelho, compra cuecas vermelhas, meias com logo da companhia.. Cara, é legal, te parabenizo por ter conseguido realizar teu objetivo. Mas você é pago para fazer um algo bem específico: seguir a risca o SOP. Aviação é profissão. Pilotar é trabalho. Sim amamos fazer isso. Mas, se você não tiver essa inteligência emocional, você irá se decepcionar, e ficará mais frustrado do que antes. Este mesmo cara, amanhã estará reclamando do avião que não está bom, a escala que está ruim, o voo da véspera de natal.

Então, quer ser piloto? Afaste-se. Olhe sua vida de cima, e veja o que te levou a estar no ponto que está hoje. Qual a raiz do problema? Identificado, vamos então desenvolver um plano, repedir o processo, ver se dá certo.. Próximo passo. Pare de se vitimizar!! Você tem exatamente a vida que deveria ter, isso é destino. O que fará com ela é planejamento, estratégia. Ser piloto não é um destino, mas sim um resultado.

Dica Extra

Uma coisa que tem forte peso na decisão de contratação, é a idade acompanhada com experiência. Um exemplo: um piloto tem 19 anos e 500 horas de voo? Ele é um ás! Passaram-se 20 anos, ele agora tem 1.000 horas. Ué!? Se ele se formou aos 19, ele voou só 50 horas por ano? O que ele estava fazendo nas outras, 175.200 horas dos 20 anos? Considerando que destas horas, 58.400 são dormindo (um terço), 58.400 são trabalhando, as outras 58.400 horas você deveria estar aprimorando a sua habilidade. É o equivalente a 8 horas por dia. Você fez cursos? Foi uma máquina de aprendizado?

O que interfere em idade na aviação é a reta de conhecimento ou experiência em função do tempo. Quanto mais tempo de vida, mais experiência e/ou conhecimento você deve ter. Certas pessoas, tem a reta de experiência como uma curva logarítmica. Outras não. Falta o que? Lê ai em cima..

Deixe nos comentários os assuntos dos próximos posts.

Fly Safe, folks.

 

 

Free WordPress Themes, Free Android Games