Motivos para fazer (ou não) uma faculdade de aviação - Aeroagora

Então você decidiu que quer ser piloto (ou já é) e está pensando se cursa ou não uma faculdade de aviação? Seja Ciências Aeronáuticas, Aviação Civil ou Pilotagem Profissional, esse post é para você. Como alguns de vocês já sabem, sou aluno de Aviação Civil na Universidade Anhembi Morumbi. Na realidade peço desculpas pela ausência na passada, mas tive provas de fim de semestre, e por conta disso, tive de me retirar para me dedicar aos estudos.

Como aluno do quinto período da universidade, creio já tenha uma ideia bem formada de cinco motivos para fazer (e para não fazer) o curso universitário de aviação. O artigo não é necessariamente uma crítica, mas sim uma visão empírica, ou seja, própria e baseada nas experiências vividas durante os períodos da universidade.

1 – Você tem um planejamento estruturado para sua carreira;

Sempre que me questionam se devem fazer o curso de Aviação Civil, eu faço a mesma pergunta: qual seu schedule? Pois afinal você quer ser piloto, certo? Caso não, aqui já está o motivo para você procurar outro curso. Aviação Civil, Ciências Aeronáuticas ou qualquer outro curso de universitário aviação lhe serve apenas para atribuir conhecimentos que lhe farão um piloto melhor. Até porque nenhuma empresa aérea prefere contratar um bacharel nesses cursos, a um engenheiro, administrador ou economista para administrar as suas finanças, área de manutenção ou mesmo recursos humanos. Em aula, uma vez, um de meus professores favoritos (e com certeza um dos mais experiente) comentou: “se colocássemos pilotos para administrar empresas aéreas, eles só pensariam em comprar aviões”… fato! Iríamos buscar pelo mais moderno, e mais rápido, sem prestar atenção em outros fatores operacionais. Porque? Porque somos à emoção… Amamos aviação. Ah, e se você quer trabalhar no check-in, um curso de específico para o cargo será economicamente mais viável, afinal você não terá investido R$50 mil para competir com formandos do nível médio, sem deméritos.

Sua programação financeira deverá se adequar então aos 3 anos do curso. Um erro do curso, é que a maioria não exige a execução prática das horas de piloto privado e comercial, o que lhe trará economia durante a formação, mas a que custo? Chegar ao final do curso sendo um bom fazedor de nada. Apesar de todos os conhecimentos adquiridos, você não tem profundidade sobre os assuntos, se não os técnicos inerentes a pilotagem.

2 – Você tem um carta na manga;

Antes de cursar Aviação Civil, eu era aluno do curso de Engenharia Mecânica na Universidade São Judas Tadeu. Fui um bom aluno, participei inclusive de processos seletivos em multinacionais, e, fui muito infeliz. Sim, porque meu sonho era ser piloto de avião. A então decisão de seguir meu sonho, sem um respaldo financeiro, me custou que aos 24 anos eu ainda não iniciei meu curso de piloto comercial prático. Por isso, se você pretende cursar e não tem ‘plata (ou plumo)‘, então sugiro a você fazer um curso para arrecadar recursos, e assim realizar seu curso com maior conforto financeiro.

Ao me matricular no curso, caí no conto do vigário que sairia de lá piloto comercial, empregado. Bem, não foi bem assim. Me arrependo? Sim! Faria de novo? SIM! Mas agora pelos motivos corretos.

3 – Você tem intenção de se sobressair;

Aviação Civil me trouxe a experiência única de conhecer alguns dos nomes mais influentes da aviação. Conheci presidentes de companhias aéreas, comandantes de jatos intercontinentais, tive aula com professores ‘Variganos’, comandantes de 767, 777, MD-11, comandantes de helicópteros, controladores de voo, escritores, entre outros. Além disso, tive colegas de classe copilotos e comandantes de jatos executivos, de jatos comerciais, instrutores, e muito mais.

O curso me deu uma percepção de que aviação de nada tem haver com aviões, mas sim pessoas. Aviação conecta pessoas, países, mundos e minha função é cumprir esta conexão com segurança e pontualidade. Mas a aviação brasileira tem muito ainda a se desenvolver, e com o curso de aviação civil talvez eu possa participar ativamente desta evolução. Então o embasamento teórico que o curso me trouxe é único, que eu não encontraria em nenhum outro curso, de aeroclube ou universitário.

4 – Você está preparado para se desencantar (e se reencantar) com aviação;

Fella, deixa eu te contar um segredo? Aviação com talheres de prata, comandantes de luva branca, e prestígio acabou. Hoje você ser piloto é ‘comum’. Sinto em te contar que a era onde pilotos eram semi-deuses já era. E não é você entrando na faculdade que isso lhe fará voltar. Ah!? E você não pense que sairá daqui diretamente comandante de A380 da Emirates, mas você possivelmente irá conhecer um. Muito provavelmente você não sairá presidente de uma companhia aérea, mas provavelmente terá a oportunidade de fazer uma ou duas perguntas para ele, pessoalmente.

Eu entrei no curso com sonhos, expectativas e todas foram destroçadas. A faculdade me destruiu, porém me reconstruiu de uma maneira muito melhor, admito. Hoje entendo as entrelinhas de um negócio que funciona em mach, e principalmente entendo o que é mach.

5 – Você quer estar preparado para o futuro;

Muito ainda nos princípios da humanidade, se destacava aquele que tinha o maior porrete. Bem, em um futuro próximo, aviação civil será um item indispensável no curriculum do piloto de linha aérea, e quiça de todo piloto atuante. Não por uma exigência legal, mas sim porque as empresas aos poucos tem percebido que pilotos com curso superior são acima de tudo, mais responsáveis pois tiveram que se comprometer com prazos durante sua formação acadêmica, comprometidos com o resultado, pois entendem seu papel, mais estrategistas pois sabem quais são os fatores que fazem uma companhia aérea voar. Sun Tzu, em a ‘Arte da Guerra’, dizia que ‘a suprema arte da guerra é derrotar o inimigo sem lutar’. Então, quer se destacar em um processo no futuro? Derrote o processo sem lutar. Com um curso universitário bom, um pacote de línguas e muita experiência.

Então meus caros, o seu objetivo é ter um número impressionante de coisas a fazer, como ler manuais, ficar atualizado com os procedimentos, e ainda sim trabalhar de forma produtiva, com pensamento claro e uma sensação positiva de sereno controle, isso sim lhe tornará um comandante do futuro, com estilo operacional decisivo exigido dos profissionais bem sucedidos e com elevado desempenho da indústria de aviação. E se você for um bom aluno, poderá aprender isso com os mestres que hoje ensinam nos cursos universitários de aviação.

5 Responses

  1. Antonio Carlos

    Ao observar a conotação do texto e, consequentemente, seus interesses comerciais, não lhe retiro mérito, pelos benefícios que tem como facilitador.
    Por outro lado, penso que mais do que facilitador didático, entendo que seu corpo docente seja composto por profissionais da área executiva (pilotos experientes e ativos), os quais compartilham experiências do dia-a-dia, sobre peculiaridades de operação das aeronaves mais comuns em uso, e os “macetes” para uma boa aproximação de portos com localizações complicadas ou extremadas.
    Some-se a isso as situações bizarras, motivadas pelo pavor de voar de alguns passageiros e que pode eclodir determinada situação contaminante nos demais.
    Resumindo: Ensinem o “pulo do gato”!
    Abraços e sucesso, sempre.

    Responder
  2. Di Sessa

    Ótima matéria, tanbém sou formado pela Universidade Anhembi Morumbi no curso de Aviação Civil, não segui carreira, mas não consigo ficar com os pés no chão se é que entende!!!! Vamos voar não importa como, trabalhando ou passeando, isso que faz a aviação ser o que ela é!!!! APAIXONANTE !!!!!

    Responder

Leave a Reply

Your email address will not be published.

Free WordPress Themes, Free Android Games