SÃO PAULO – O Pentágono está prestes a aprovar um novo helicóptero da Lockheed Martin para o transporte de carga pesada para o Corpo de Fuzileiros Navais, em um programa avaliado em até US$ 29 bilhões.

LEIA TAMBÉM: INFRAERO vai a São Paulo apresentar oportunidades de negócios em aeroportos

 

A Junta de Aquisição de Defesa agendou uma reunião em 30 de março para rever a produção dos primeiros 24 de um lote de 200 helicópteros King Stallion. O contrato inicial cobriria dois dos aviões capazes de carregar 27.000 libras (12.200 quilogramas), de acordo com documentos do Departamento de Defesa. As quantidades cresceriam anualmente para quatro no próximo ano e 14 até o ano de 2021, de acordo com o último relatório de aquisição publicado.

Os preços baratos dos combustíveis diminuíram a capacidade de exploração de petróleo e gás no mar e diminuíram a demanda pelos grandes helicópteros que a indústria usa para transportar pessoas e equipamentos. Espera-se que as entregas de helicópteros comerciais gerem menos de US$ 300 milhões em receita este ano, contra as vendas de cerca de US$ 1,25 bilhão em 2014, antes da aquisição da Lockheed, segundo estimativas da empresa de investimentos Jefferies.

O gigante deve gerar mais de US$ 500 milhões este ano para Lockheed, de acordo com Howard Rubel, um analista de defesa da Jefferies.

Os fuzileiros navais provavelmente serão os maiores clientes, embora haja uma chance da Marinha poder participar, se precisar adicionar uma embarcação com maior capacidade, disse Richard Aboulafia, analista de defesa do Grupo Teal.
Um porta-voz do escritório de testes do Pentágono disse por e-mail que o helicóptero está em andamento para cumprir seus principais parâmetros de desempenho em termos de alcance, carga útil e confiabilidade, citando uma avaliação de 24 de fevereiro. O tenente-coronel do Exército, Roger Cabiness, disse que o helicóptero demonstrou até agora que é confiável e disponível 85% do tempo necessário – excedendo os 83% exigidos neste momento.

“O King demonstrou que tem a capacidade de apoiar as missões marinhas “mais estressantes”, disse Cabiness. Ainda assim, um dos problemas mais graves do helicóptero é a alta temperatura de escape do motor de dois de seus três motores, que deve ser corrigido, a avaliação do escritório de testes encontrados.

“Continuaremos a monitorar a maturação do sistema, a medida que demonstrarmos ainda mais as capacidades da aeronave e implementarmos as melhorias necessárias”, disse Mike Torok – gerente de programa da Lockheed para a CH-53K. “Permanecemos confiantes enquanto nos preparamos para a decisão do Pentágono.”

Redação – Aeroagora

- Anúncio -
RWY
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here