RIO DE JANEIRO – Nesta quarta-feira (22) é celebrado o Dia Mundial da Água. A INFRAERO anunciou que tem adotado soluções para o uso adequado e o reaproveitamento dos recursos hídricos em diversos aeroportos.

LEIA TAMBÉMLATAM Airlines retoma estudos para novo hub no Brasil

Ao todo, dezesseis terminais da Rede já utilizam técnicas de reuso da água com o propósito de reduzir os gastos e preservar os recursos hídricos. Essas ações geram, atualmente, uma economia anual de 40 mil m³, o suficiente para abastecer uma cidade com 4 mil residências , por um mês inteiro, por exemplo.

De 2014 a 2016, a empresa reduziu o consumo anual de água de 2.50.216 m³ para 2.152.545, uma economia de 12,4%. Já o gasto médio por passageiro passou de 22 para 20 litros de água por ano.

Uma das principais ações utilizadas na INFRAERO é o aproveitamento de água de chuva, como no Aeroporto Santos Dumont, onde cerca de 10 mil m³ de água de chuva são usados anualmente para suprir boa parte da demanda das bacias sanitárias daquele aeroporto.

No Aeroporto de Goiânia/Santa Genoveva (GYN), além da água da chuva, também é feito o reuso de águas cinzas, que são os descartes gerados nas pias, bebedouros e chuveiros e que não sejam provenientes de sanitários, onde há contaminantes biológicos, que exigem outro tipo de tratamento. Para isso, o terminal conta com uma ETR – Estação de Tratamento e Reuso de águas pluviais e de águas cinzas, que foi entregue junto com o novo terminal de passageiros, em maio de 2016, e, após a fase de operação assistida, entrou em pleno funcionamento em novembro do ano passado.

O novo terminal de passageiros do Aeroporto de Vitória/Eurico Aguiar Salles (VIX), que tem previsão de conclusão em setembro, também será entregue com uma ETR para tratamento de água da chuva e águas cinzas. “A INFRAERO aproveita as oportunidades, tais como grandes obras ou pequenas reformas, para implantar as soluções, baseada nos documentos de referência ambiental existentes na empresa e que visam a boa prática de reaproveitamento de águas de diversas origens para fins não potáveis”, afirma o superintendente de Meio Ambiente da estatal, Fued Abrão Junior.

No Aeroporto Internacional do Recife/Guararapes – Gilberto Freire (REC), onde há 15 anos é feito o reuso da água que pingaria do sistema de ar condicionado (água de condensação) e que é suficiente para abastecer, com folga, 100% das bacias sanitárias do terminal de passageiros e do edifício garagem. Estima-se que nesse período a economia tenha atingido cerca de 42 mil m³ de água.

O Aeroporto de Campina Grande/Presidente João Suassuna (CPV) é uma referência para a INFRAERO. “Desde 2012, por meio do aproveitamento de água de chuva, reuso da água dos testes dos Caminhões de Combate Contra Incêndio, instalação de torneiras economizadoras e outras ações, o Aeroporto de Campina Grande reduziu em cerca de 77% o seu consumo anual”, comenta Fued.

Redação – Aeroagora

- Anúncio -
RWY
COMPARTILHAR

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here